A quem se destina a Avaliação Neuropsicológica?

Crianças com dificuldade de aprendizagem ou suspeita de transtorno da aprendizagem e do desenvolvimento (Transtorno do Espectro Autista, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade/Impulsividade, Deficiência Intelectual, Transtornos da leitura e da escrita, etc.); Crianças com dificuldades de ajustamento social; Pessoas que sofreram acidentes como traumatismo crânio encefálico, AVC’S, etc.; Pessoas acometidas de tumores encefálicos; Pessoas com suspeita de demência; Pessoas com sintomas de stress, ansiedade, depressão e distúrbios neuropsicológicos; etc. Aplica-se também como exame complementar de processo seletivo (QI), e auto conhecimento (aspectos fortes e fracos da personalidade, levando em conta os afetos e as emoções).

A Avaliação Neuropsicológica, aqui, é realizada a partir dos 4 anos de idade.

O que é a Avaliação Neuropsicológica?
Trata-se de um trabalho detalhado, processual e personalizado, que examina cada função mental como atenção, memória, orientação, linguagem, praxia, percepção, pensamento, funções executivas, além da inteligência, afetos e emoções. 
Avaliação neuropsicológica infantil
 
Assim como a do jovem/adulto, a ANI visa, também, averiguar as características neuropsicológicas da criança, com uma diferença no “olhar”. É levado em consideração que este “pequeno” ser humano se encontra em processo de desenvolvimento/maturação de áreas corticais e subcorticais do cérebro. Sendo assim, a avaliação busca investigar quais funções estão ou não desenvolvidas, e suas relações com a queixa (dificuldades de aprendizagem, de comportamento, de relacionamento, etc). Outro aspecto que não pode, jamais, ser ignorado é a condição emocional e afetiva da criança. Esta, por vezes, interfere no bom funcionamento neuropsicológico, e pode levar a queda de rendimento escolar, por exemplo.

 
Aplicação de testes e escalas
 
A testagem psicológica busca quantificar as características psicológicas do sujeito, com o objetivo de colocá-lo acima ou abaixo de um “ideal”. Portanto, a testagem, por si só, não possui muito significado. Entretanto, quando esta testagem está inserida dentro de um contexto clínico, educacional, hospitalar, etc., pode fornecer informações valiosas para uma investigação do funcionamento psicológico do sujeito, ou ainda, para um diagnóstico. Minha atuação com testes e escalas está principalmente pautada no contexto clínico, relacionada às áreas da saúde, educação e do corporativismo. As principais testagens oferecidas são as de QI, a testagem neuropsicológica e a avaliação da personalidade.
 
Avaliação da Inteligência
 
"Análise da Inteligência"
 
A inteligência pode ser definida como “habilidade cognitiva que atravessa todas as tarefas e por habilidades específicas que dão suporte a tarefas intelectuais particulares” (Spearman, 1904). Em outros termos, é a capacidade de resolução dos mais diversos problemas, utilizando-se de recursos cognitivos adquiridos no decorrer do desenvolvimento. A análise da inteligência é feita a partir da utilização de escalas padronizadas (testes) e observação clínica. O analisado é submetido a diversas tarefas de resolução de problemas, sendo estes resultados confrontados com o seu estilo de vida, levando em conta os aspectos emocionais e ideacionais.

 
O que a Avaliação Neuropsicológica NÃO é:
  • Rápida
É um processo exaustivo e demorado que varia de pessoa para pessoa, e depende do caso do paciente;
  • Simples
Na verdade é bem complexa. Depende de conhecimento teórico, técnicas adequadas e instrumentos restritos ao profissional da psicologia;
  • De baixo custo
Não é um exame barato, como a maioria dos exames laboratoriais. É caro, por tudo o que já foi falado, e por se tratar de um trabalho extensa aplicação. Os testes são caros e não podem (não deveriam) ser aplicados de forma indiscriminada;
  • Exame meramente objetivo
Não se trata de um exame em que após os resultados dos testes, seja possível atribuir um diagnóstico, ou estabelecer uma relação causa e efeito. Pelo contrário, ainda necessita de análise, investigação e principalmente do "raciocínio clínico";
  • Restrita aos psicólogos
No entanto, somente o psicólogo pode usar instrumentos imprescindíveis no processo, como testes de inteligência e personalidade, além de outros instrumentos importantes para a avaliação. Embora não seja restrita aos psicólogos, são esses que, em tese, possuem um manejo especial para lidar com as relações afetivas envolvidas no ambiente avaliativo.​
Voltar